Educação

Professores apontam dificuldades na readaptação de alunos a rotina presencial

Conforme os docentes, disciplina, horários e inquietações estão entre as problemáticas ocorridas nas salas de aula
Por: Bruno Bonilha
Publicado em: 11/04/2022 às 18h55
Atualizado em: 12/04/2022 às 09h16
Professores apontam dificuldades na readaptação de alunos a rotina presencial

Há pouco mais de cinco meses, as escolas da rede estadual e privada do Brasil passaram a receber 100% de seus estudantes, sem revezamentos de alunos ou distanciamento entre as carteiras. Com esta retomada, os reflexos do ensino a distância são perceptíveis.  Nesta manhã os professores Edson Oliveira e Norma Dummer, concederam entrevista para a Rádio Acústica, onde foi discutido o ensino pós pandemia.

Os docentes destacam que o ensino em home office nos níveis fundamental e médio foi um momento único e difícil, tanto para alunos, quanto para professores. Mas frisam que a retomada presencial está se tornando uma situação muito sensível para o setor de ensino.

Muitos professores enfrentam dificuldades nesta transição de retomada. Alunos necessitam reaprender hábitos normais de uma sala de aula, no sentido de direitos e deveres.  Em muitos casos os discentes presentam sintomas de inquietude e ansiedade, segundo a professora. 

O professor Edson destaca a necessidade de assistir cada aluno e buscar entender a situação que muitos alunos e educadores enfrentaram sem os recursos necessários para a continuidade do ensino non período de isolamento. 

Em Camaquã, devido a problemas de readaptação, escolas estão cancelando aulas por episódios de violência em salas de aula.

Os docentes enfatizam a problemática na continuidade entre séries, porque muitos alunos no período pré-pandemia, cursavam séries primárias e no decorrer das atividades avançaram para anos finais, sem a assistência necessária “Os professores do sexto ano recebem alunos que pararam no ensino presencial no terceiro ano. Até o terceiro ano a aprovação era automática. Hoje este aluno voltou ao ensino presencial no sexto, com uma diferença muito grande”, detalham. 

Confira a entrevista completa: