Pandemia

Pandemia: vários estados flexibilizam uso de máscaras

No Rio Grande do Sul, a utilização ainda é obrigatória, mas divide opiniões
Por: Gil Martins
Publicado em: 06/03/2022 às 10h41
Pandemia: vários estados flexibilizam uso de máscaras Foto: Ilustração/Pixabay

Diante da queda de casos de covid-19 no país, vários estados decidiram flexibilizar o uso de máscaras. No Distrito Federal, um decreto publicado nesta sexta-feira liberou o uso de máscaras ao ar livre. Para shows abertos e eventos esportivos, a permissão vale a partir de segunda-feira.https://agenciabrasil.ebc.com.br/ebc.png?id=1446317&o=nodehttps://agenciabrasil.ebc.com.br/ebc.gif?id=1446317&o=node

- Siga a Acústica no Google notícias tocando aqui

Em Belo Horizonte, um decreto assinado também nesta sexta libera o uso de máscaras em lugares abertos.

O fim da obrigatoriedade também é avaliado no estado de São Paulo, e a decisão do governo paulista deve ser anunciada na próxima quarta.

- Receba todas as notícias da Acústica no seu WhatsApp tocando aqui!

Mas a medida divide opiniões. O presidente da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal, José David Urbaez, tem dúvidas se este é o momento ideal para se abandonar a proteção. Ele lembra que neste carnaval houve muitas festas clandestinas e isso pode afetar os índices de contaminação nas próximas semanas.

Clique aqui e assista aos nossos conteúdos exclusivos no YouTube

No Rio de Janeiro, o governo estadual deixou a cargo dos municípios decidir sobre a flexibilização do uso de máscaras. Uma reunião do Comitê Especial de Enfrentamento à Covid-19, na próxima segunda-feira, vai avaliar a necessidade do uso de máscara em locais fechados. Lembrando que, no Rio, o uso da proteção em ambientes abertos não é mais obrigatório desde final de outubro.

A cobertura atual na população fluminense adulta supera os 99% com as duas doses e de 53% com o reforço. Segundo o secretário de Saúde Daniel Soranz, o índice de positividade dos testes diagnósticos estava menor do que 5% na semana passada. Ele argumenta que a Organização Mundial de Saúde considera controlado o cenário epidemiológico abaixo de 5%.

Texto: Leandro Martins/Agência Brasil