Criminalidade na região

Operação desvenda quadrilha que usava uniformes da Polícia Civil para cometer crimes na região

Investigação descobriu homem acusado de auxiliar assassinos que vinham para a região matar rivais
Por: Gil Martins
Publicado em: 20/05/2022 às 14h52
Atualizado em: 20/05/2022 às 22h14
Operação desvenda quadrilha que usava uniformes da Polícia Civil para cometer crimes na região Foto: Divulgação

Diante de inúmeros assassinatos ocorridos em Tapes e região, em que os criminosos utilizavam camisas e máscaras da Polícia Civil, foi instaurado Inquérito Policial pela Delegacia de Polícia de Tapes, visando identificar membros da quadrilha.

- Siga a Acústica no Google notícias tocando aqui 

Durante as investigações, os Agentes descobriram uma empresa que confeccionou ao menos 15 camisas e 15 máscaras da Polícia Civil. Após, identificaram uma mulher que teria feito as encomendas, pelo menos em três ocasiões, e seria a responsável por repassar o vestuário aos integrantes da facção.

Essa mulher, que já foi visitante de presidiário, é filha de outro investigado. O pai dela foi alvo de um mandado de busca e apreensão, quando os policiais encontraram vídeos dele manuseando duas pistolas e dezenas de munições. Este indivíduo é alvo de outras investigações, além de ser suspeito de auxiliar assassinos, que vieram a Tapes para matar rivais.

- Receba todas as notícias da Acústica no seu WhatsApp tocando aqui!

No decorrer da apuração, os policiais encontraram mensagens de outros criminosos dando ordens aos subordinados para que se vestissem como policiais para executar os rivais.

O Delegado Luciano Rodrigues, frisou que os investigados que foram identificados, que são pai e filha, foram indiciados por associação criminosa armada, com pena entre três e seis anos, já que os crimes praticados pela quadrilha se enquadram como hediondos. Acrescentou que atenção especial foi dada a este caso, já que os policiais ficam em risco ainda maior ao participarem de operações, já que vários criminosos estão usando uniformes policiais, de forma indevida, em todo o Estado.

O Inquérito foi remetido para análise de Ministério Público e do Poder Judiciário, sendo que os indiciados responderão em liberdade.