16/06/2021 10h29 - Atualizado em 16/06/2021 10h57

Guarany de Camaquã completa 75 anos nesta quarta-feira (16)

Relembre a história do clube que por pouco não subiu para a 1ª divisão do futebol gaúcho
Por: Gil Martins/Acústica FM - Fotos: Valério Weege/Acústica FM
Guarany de Camaquã completa 75 anos nesta quarta-feira (16)

O Guarany de Camaquã completa 75 anos nesta quarta-feira (16). A inauguração oficial do clube ocorreu em uma assembleia, realizada naquele dia, no Cine Teatro Guarany.

> Siga a Acústica no Google notícias tocando aqui

A fundação do clube foi motivada pela insatisfação de atletas do Clube Atlético Camaquense. Os jogadores que treinavam durante toda a semana e ainda assim ficavam sempre no banco de reservas resolveram fundar um novo clube para que pudessem jogar. Inicialmente, o campo da equipe se situava na área do Jockey Clube da cidade, ao lado do pavilhão social.

Eles decidiram colocar o nome de Guarany Futebol Clube, inspirados no Guarany de Bagé, cidade em que prestavam o serviço militar obrigatório.

> Receba todas as notícias da Acústica no seu WhatsApp tocando aqui!

O Guarany de Camaquã se profissionalizou em 2010. No ano de 2012, o clube montou um time extremamente competitivo para a disputa da Divisão de Acesso. Com o apoio de sua torcida, que lotava o Estádio Coronel Silvio Luíz, o Bugre fez uma belíssima campanha na primeira fase, acabando em segundo lugar de seu grupo, com 30 pontos conquistados. O grupo tinha também: Brasil de Pelotas (líder do grupo), Riograndense, São Paulo, Farroupilha, Inter de Santa Maria, Riopardense, Rio Grande, Guarani de Venâncio Aires e 14 de julho.

> Receba todas as notícias da Acústica no seu Telegram tocando aqui!

Na segunda fase da competição, o clube ficou atrás somente do Esportivo, garantindo a vaga para o quadrangular final da competição e uma grande festa em Camaquã, com direito a desfile no caminhão do Corpo de Bombeiros e carreata.

Embalado pela ótima campanha e pela presença maciça da torcida, o Bugre enfrentou Esportivo, Passo Fundo e União Frederiquense no quadrangular final, onde somente dois, dos quatro times, subiriam para a elite do futebol gaúcho.

> Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Toque aqui e inscreva-se no nosso canal!

Após uma derrota em casa para o Esportivo, na penúltima rodada, em jogo que garantiu com antecedência a classificação do clube de Bento Gonçalves, o Guarany foi para a última rodada precisando vencer o União Frederiquense e torcer por um empate ou derrota do Passo Fundo para o Esportivo.

Foto: Valério Weege/Acústica FM

Infelizmente, a classificação se tornou uma missão quase impossível, pois, na semana do jogo, o presidente do Esportivo (já classificado), afirmou publicamente que o Passo Fundo, seu rival no último jogo, merecia ser o outro classificado, pois Guarany de Camaquã e União Frederiquense eram “varzeanos”. E não deu outra: apesar da vitória do Bugre por 2 x 1 contra o União, fora de casa, o Passo Fundo acabou subindo, vencendo o Esportivo, do treinador Luís Carlos Winck, que, após a declaração do presidente do clube, colocou um time misto em campo.

O Guarany jogou a última partida com Geo; Alex Pereira (Douglas Alemão), Fábio Souza, Claiton e Carlinhos; Índio, Júlio César, Júnior, William Silva e Ivan Lima (Dudu Lence); Flaviano (Esquerdinha). Técnico: Fabiano Daitx.

Apesar de não ter conseguido a classificação, o time de 2012 é lembrado até hoje com grande carinho pelos camaquenses.

Foto: Valério Weege/Acústica FM

Depois de boas campanhas e destaque nas competições, com a quase ascensão para a 1ª Divisão em 2012, em 2013 o Guarany passou pelo pior momento desde a sua profissionalização em 2010: Após uma péssima campanha pela Série A2 do Campeonato Gaúcho, o clube foi rebaixado para a Segunda Divisão do Rio Grande do Sul.

O clube licenciou-se no ano seguinte e voltou a disputar competições profissionais somente em 2017. A falta de experiência da equipe refletiu no resultado dentro de campo e na competição: eliminação ainda na primeira fase da Segundona Gaúcha.

Na manhã desta quarta-feira (16), a reportagem da Acústica visitou o estádio Coronel Sílvio Luis, onde relembrou os bons tempos da equipe. O repórter Valério Weege ainda vitiou a sala de troféus. Acompanhe como foi a visita:

Deixar um comentário