04/05/2021 10h30 - Atualizado em 04/05/2021 10h31

Sancionado projeto que beneficia os setores de eventos e hotelaria

Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos foi sancionado pelo Presidente Bolsonaro
Por: Gil Martins/Acústica FM - Foto: Valério Weege/Acústica FM
Sancionado projeto que beneficia os setores de eventos e hotelaria

O presidente Jair Bolsonaro decidiu sancionar com vetos o projeto de lei que cria o Perse, Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos. É um pacote de medidas econômicas de ajuda aos setores de eventos e de hotelaria. O prazo para a análise presidencial terminava nessa segunda-feira.

> Receba todas as notícias da Acústica no seu WhatsApp tocando aqui!

De acordo com a equipe econômica, serão quatro pontos de atuação. O parcelamento de dívidas tributárias, a compensação de parte dos prejuízos causados pela pandemia e duas linhas de crédito. Uma pelo Pronampe, Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, que vai destinar 20% dos recursos aos negócios beneficiados pelo Perse. E outra linha de crédito por meio do FGI, Fundo Garantidor para Investimentos, que é gerido pelo BNDES.

O texto aprovado no Congresso Nacional no dia 7 de abril também previa redução de impostos, mas esse trecho foi vetado. O secretário de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, justificou que os parlamentares não apontaram de onde sairiam recursos para equilibrar a arrecadação federal.

> Toque aqui e confira nossas reportagens e os programas da Acústica em nosso canal no YouTube

Mesmo assim, o governo informou que pode negociar a redução de impostos de maneira pontual. Isso vai ser decidido após ouvir os representantes dos setores.

A expectativa é que o impacto do Perse alcance até 20 milhões de famílias, de maneira direta ou indiretamente. São pessoas que trabalham em empresas de hotelaria, cinemas, casas de eventos, casas noturnas, shows, eventos esportivos e sociais, entre outras, relacionadas a turismo, cultura e hospedagem.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que os vetos foram feitos para aperfeiçoar o texto e evitar que a ajuda a essas empresas fosse parar na justiça. De acordo com Guedes, o objetivo é permitir o acesso das pequenas empresas às linhas de crédito.

No ano passado, o governo federal liberou quase R$1 trilhão para os bancos abrirem linhas de crédito para pequenas, médias e grandes empresas. Mas os empresários que possuem pequenos empreendimentos reclamaram que só os grandes conseguiram esses recursos.

No ano passado, foi realizada uma manifestação em Camaquã, onde os profissionais do setor de eventos mostraram a necessidade de uma atenção maior com a categoria:

Deixar um comentário