30/04/2021 09h57 - Atualizado em 30/04/2021 10h20

Quatro são presos ao usar "Chapolin" para furtar carros no estado

Os indivíduos contam com diversos antecedentes por furto qualificado, roubo, receptação e organização criminosa
Por: Gil Martins/Acústica FM - Fotos: Divulgação
Quatro são presos ao usar "Chapolin" para furtar carros no estado

A Polícia Civil deflagrou na manhã desta sexta-feira (30) a Operação Parking, no combate a crimes de furto em veículo, receptação e organização criminosa na região metropolitana. Foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão nas cidades de Canoas, Sapucaia do Sul e São Leopoldo, restando apreendidos, entre outros objetos, dinheiro e um bloqueador de sinal conhecido como "Chapolin".

Quatro pessoas foram presas preventivamente pela prática dos crimes investigados. Os indivíduos contam com diversos antecedentes por furto qualificado, roubo, receptação e organização criminosa.

> Receba todas as notícias da Acústica no seu WhatsApp tocando aqui!

Conforme a investigação, que durou dois meses e reúne robustos indícios de autoria encontrados em diversos elementos de áudio e vídeo, verificou-se que o grupo de criminosos, especializado em furto qualificado em veículo, utilizava-se deste dispositivo bloqueador de sinal chamado de "Chapolin" para ingressar em automóveis e furtar objetos de seu interior.

Em uma das oportunidades, em um estacionamento em Canoas, os indivíduos entraram em três veículos. Em outro vídeo, outro integrante entra em três veículos em 1 minuto e meio.

Por meio da análise de dados, um extenso conteúdo foi encaminhado para o Poder Judiciário. Nas mídias analisadas, os alvos orgulham-se de seu comportamento socialmente lesivo, enaltecendo suas ações criminosas. Também demonstrou-se a vida dos investigados voltada para o crime, de forma a destacar a reiteração criminosa dos indivíduos e a organização do grupo criminoso.

> Toque aqui e confira nossas reportagens e os programas da Acústica em nosso canal no YouTube

A operação visa frear a intensa reiteração criminosa por parte dos alvos. Além do cumprimento dos mandados já deferidos, a operação policial busca outras provas que possam determinar a participação de outros envolvidos nos ilícitos, bem como recuperar possíveis objetos furtados e instrumentos do crime, além de outros elementos que possam auxiliar nas investigações.

O delegado Rafael Pereira, titular da 1ª Delegacia de Polícia de Canoas, destaca a importância de coibir e responsabilizar os indivíduos autores desse tipo de crime que vem crescendo cada vez mais. “Dessa forma, as medidas cautelares representadas são essenciais para garantir a ordem pública”, destacou.

Já o diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana de Canoas, delegado Mario Souza, destaca que a operação tem máxima importância tendo em vista que as ações do grupo criminoso tem alcance em boa parte do estado do Rio Grande do Sul, lesando a comunidade em um momento tão frágil de pandemia.

Aproximadamente 60 policiais civis participaram da ação, que também contou com apoio aéreo. Maiores informações sobre a ação podem ser verificadas com a 1ª DP/Canoas, delegado Rafael Pereira.

Deixar um comentário