20/04/2021 18h35 - Atualizado em 20/04/2021 18h35

BBB21: Filha da Sister Pocah é alvo de racismo nas redes sociais

A menina de apenas 5 anos foi vítima de diversos ataques virtuais
Por: Camila Mattos/Acústica FM - Foto: Divulgação Instagram/Twitter Pocah
BBB21: Filha da Sister Pocah é alvo de racismo nas redes sociais

O perfil da BBB Pocah nas redes sociais, foi atualizado nesta terça-feira pelo seu administrador, para denunciar uma sequência de mensagens racistas direcionadas à filha da Sister. Os ataques a pequena Vitória, de apenas 5 anos, começaram depois da cantora discutir com Juliette no programa.

O desentendimento aconteceu no último domingo (18), quando a sister paraibana descobriu que foi um dos votos da funkeira para o paredão.

> Receba todas as notícias da Acústica no seu WhatsApp tocando aqui!

No perfil de Pocah no Twitter, o administrador fez uma postagem sobre as ofensas que Vitória vem recebendo. "É louco pensar que essas mensagens, direcionadas a uma criança de 5 anos, são motivadas exclusivamente porque a mãe dela resolveu votar em um jogo de votação, né? O que está acontecendo no mundo? O que está acontecendo com as pessoas?"

O marido da cantora, Ronan Souza, se pronunciou sobre o caso.

"Isso é inadmissível, ela é uma criança de 5 anos. O que eu posso fazer é tomar as medidas legais. Agora, vou fingir para ela que não aconteceu nada, vou fazê-la brincar e ver filme, mas estou com o coração bem dolorido", desabafou.

Após o perfil da cantora divulgar as ofensas, a equipe de Juliette se manifestou.

"Nossa mensagem é, sobretudo, para dizer que repudiamos qualquer ataque e crime, à Vitória e à família de qualquer participante", e complementaram:

"Tem dezenas de prints de torcida alheia combinando de se passar por cacto torcida de Juliette e fazer esses ataques, o que é 100% lamentável".

Os crimes de racismo estão previstos na Lei 7.716/1989, que foi elaborada para regulamentar a punição de crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor, conhecida como Lei do Racismo. No entanto, a Lei nº 9.459/13 acrescentou à referida lei os termos etnia, religião e procedência nacional, ampliando a proteção para vários tipos de intolerância. Como o intuito dessa norma é preservar os objetivos fundamentais descritos na Constituição Federal, de promoção do bem estar de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação, as penas previstas são mais severas e podem chegar até a 5 anos de reclusão.

Deixar um comentário