02/03/2021 09h47 - Atualizado em 02/03/2021 12h14

“Qualquer decisão neste momento será de dor, mas com responsabilidade”, afirma presidente da Famurs

Se medidas impostas pela bandeira preta não funcionarem, novas restrições podem acontecer
Por: Valesca Luz / Acústica FM - Foto: Divulgação / Famurs
“Qualquer decisão neste momento será de dor, mas com responsabilidade”, afirma presidente da Famurs

O presidente da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul, Maneco Hassen, detalhou a situação enfrentada pelos prefeitos do Estado em razão das medidas impostas pela bandeira preta. Segundo o gestor em entrevista na Acústica FM, qualquer decisão neste momento “será ruim, feita com muita dor, mas com responsabilidade”. Ele aponta que o resultado das restrições desta semana serão percebidas no prazo de 15 dias.

Além das consequências causadas pelo fechamento das atividades nesta semana, o crescimento de casos de contágio podem provocar ações ainda mais rígidas caso não aconteça uma redução nos dados: “se a restrição não funcionar agora, terão medidas ainda piores na frente”, afirma. Conforme detalhou Hassen, em conversa com o governador nesta semana, não é recomendado criar expectativas sobre ações da próxima semana.

A bandeira preta considera risco máximo de contágio do coronavírus, desta forma, foi suspenso por uma semana, o sistema de cogestão, fazendo com que, o executivo municipal, siga as medidas impostas pelo Piratini. O novo decreto, está em vigência desde a manhã de sábado (27) e vai até dia 07 de março.

Neste momento o Estado vive o pior momento da pandemia com lotação em leitos de UTIs atendendo pacientes com sintomas ou diagnosticados com coronavírus. Em Camaquã, 82 novos casos foram registrados nesta segunda-feira (01) contabilizando 4162 até o momento.

Confira a entrevista:

“Qualquer decisão neste momento será de dor, mas com responsabilidade”, afirma presidente da Famurs

Deixar um comentário