15/01/2021 11h25 - Atualizado em 15/01/2021 16h35

Greve: caminhoneiros organizam paralisação em fevereiro

Valor do combustível é o principal impasse aponta o presidente do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas
Por: Valesca Luz / Acústica FM - Foto: Rodrigo Vicente / Arquivo / Acústica FM
Greve: caminhoneiros organizam paralisação em fevereiro

Um grupo de caminhoneiros promovem uma paralisação nacional para o dia 01 de fevereiro aprovada pela Associação Nacional de Transporte no Brasil (ANTB) e o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC). O presidente da CNTRC, Plinio Dias, em entrevista ao vivo ao programa Primeira Hora na manhã desta sexta-feira (15), detalhou os impasses que favorecem a ação no próximo mês.

Conforme Dias, ocorre a possibilidade de greve dos caminhoneiros principalmente pelo aumento constante no valor do combustível. Segundo ele, as leis importantes destinadas aos profissionais da categoria não são fiscalizadas e obedecidas: “o imposto do combustível como gasolina e diesel competem a toda população brasileira”, afirma.

Além do combustível, o presidente pretende adicionar outros problemas pontuais da categoria: “manter o diálogo com o governo federal para acrescentar mais assuntos” e lamentou a criminalidade a motoristas. Uma pesquisa realizada pela equipe de jornalismo da emissora aponta que em postos localizados na BR-116 em Camaquã, o preço do diesel comum varia entre R$ 3,647 e R$ 3,49.

Entre as pautas solicitadas são apontados os seguintes itens:

- O piso mínimo de frete do transportador autônomo rodoviário de cargas;

- Ciot para todos;

- Pl BR do mar;

- PPI - política de preço de paridade de importação aplicado pela petrobrás ao consumidor nacional;

- Contratação direta do transportador autônomo rodoviário de cargas;

- Aposentadoria especial do transportador autônomo rodoviário de cargas;

- Marco regulatório do transporte;

- Jornada de trabalho do trabalhador (transporte rodoviário de cargas empregado/autônomo);

- Resoluções Contran 701/2020 e 499/2014;

- Fiscalização mais atuante da ANTT.

De acordo com Plínio o grupo é composto por 38 membros entre diretores de conselhos e sindicatos, caminhoneiros empregados e autônomos e devem ocorrer a adesão de diversos locais do Brasil: “está muito bem organizado”, declara.

Confira a entrevista na íntegra:

Em 2018, Camaquã estava entre as cidades do Rio Grande do Sul que protagonizaram manifestações dos caminhoneiros durante nove dias. De acordo com o Comando Rodoviário da Brigada Militar (CRBM), foram 121 pontos em rodovias estaduais, onde ocorreu concentração de caminhoneiros. A falta de combustível era a principal pauta abordada durante a greve. 

Deixar um comentário