25/11/2020 18h27 - Atualizado em 25/11/2020 18h27

Vacinação contra a pólio atinge 81% do público-alvo, mas fica abaixo da meta

Doses extras da vacina da pólio seguem disponíveis nos postos de saúde até 30 de novembro
Por: Secom RS Foto: Claudio Fachel / Palácio Piratini / Arquivo
Vacinação contra a pólio atinge 81% do público-alvo, mas fica abaixo da meta

Balanço sobre a Campanha de Vacinação contra a Poliomielite no Estado, encerrada sábado (21/11), aponta que o Rio Grande do Sul alcançou cobertura vacinal de 81,2%. O dado, divulgado nesta quarta-feira (25/11), mostra que não foi alcançada a meta de imunização de 95% do público-alvo. 

Conforme a chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Tani Ranieri, o índice pode ser considerado mediano. “Nos próximos dias pode crescer um pequeno percentual, enquanto os municípios seguem registrando as doses aplicadas, mas não irá variar muito”, explica. “Infelizmente, poucos Estados atingiram a meta. Nós sabemos das dificuldades, principalmente neste momento de retorno da circulação do coronavírus. Acredito que isso tenha contribuído para que pais ou responsáveis não tenham levado as crianças para se vacinarem”, acrescenta. 

Tani informa que as doses extras da vacina da pólio seguem disponíveis nos postos de saúde e casas de vacinas até dia 30 de novembro, e as doses de rotina podem ser aplicadas durante qualquer época do ano. “É fundamental todas as crianças e adolescentes manterem a caderneta de vacinação em dia”, reforça. 

• Clique aqui e acesse tabela com as coberturas vacinais de cada município gaúcho 

Em pesquisa de opinião, quase 100% diz acreditar em vacinas 

Pesquisa promovida pela Secretaria da Saúde (SES) no ano passado mostrou que as principais causas das baixas coberturas vacinais no Estado se devem ao descaso e à desinformação. 

No levantamento, 59% das pessoas apontaram motivos pessoais para a não vacinação dos filhos, como esquecimento, medo de efeitos colaterais e falta de tempo. Mesmo que por algum motivo não tenham vacinado as crianças, mais de 96% disseram acreditar na imunização e a consideram importante. Apenas 4% responderam não acreditar na eficácia das doses. 

Foi constatado, ainda, que os jovens deixam de vacinar seus filhos com mais frequência por não terem convivido com certas doenças comuns em outras épocas e que desapareceram por algum tempo, mas que hoje retornam com força. O sarampo é um exemplo.

Deixar um comentário

Publicidade