22/05/2020 11h08 - Atualizado em 22/05/2020 21h04

Pneumologista esclarece dúvidas sobre cloroquina e demais medicamentos no tratamento da Covid-19

Doutor Marcelo Mallmann foi entrevistado no programa Primeira Hora desta sexta-feira (22)
Por: Daniel Larusso - Foto: Arquivo/ Acústica FM
Pneumologista esclarece dúvidas sobre cloroquina e demais medicamentos no tratamento da Covid-19

O pneumologista doutor Marcelo Mallmann esclareceu dúvidas sobre a cloroquina e demais questões envolvendo a pandemia do coronavírus durante o programa Primeira Hora da Rádio Acústica FM, desta sexta-feira (22). Na ocasião, o médico também ressaltou a importância de atos simples para evitar o alto índice de contágio.

Conforme Mallmann, o uso de máscaras, o distanciamento, lavar as mãos e demais cuidados não depende do governo. Diante disso, cabe à sociedade a prevenção ao coronavírus. “São maneiras muito fáceis de evitarmos (o vírus). “Não há nenhum recurso material dispendioso nós usarmos máscaras, lavar a mão com sabão e manter o distanciamento”, afirma o doutor.

O uso da cloroquina

A utilização da cloroquina em paciente com coronavírus está no protocolo de tratamento dos profissionais da saúde, conforme relato do doutor. Mas, o presidente Jair Bolsonaro quer a utilização do medicamento em alta escala, ou seja em todos os pacientes, o que segundo Marcelo, não é decisão dele. Os médicos, no geral, não defendem a prática.

Mallmann afirma que não há uma demonização da cloroquina por parte dos profissionais, inclusive, eles utilizam o medicamento, com a permissão do paciente. Entretanto, os dados sobre a eficácia da substância são poucos. Não há uma certeza sobre sua taxa de sucesso e até mesmo suas consequências negativas no organismo do paciente. “Os estudos mostram que ela (cloroquina) não tem um efeito que nós gostaríamos”.

Segundo pesquisa do New England Journal of Medicine, citada pelo doutor, os pacientes em intubação que utilizaram a cloroquina, não sofreram efeito de melhora. Para Mallman, o efeito da cloroquina em seu maior potencial, só acontece na fase inicial do caso. “Cada fase da doença, tem seu medicamento”, revela Marcelo Mallmann.

Confira entrevista na íntegra

Deixar um comentário