30/03/2020 08h56 - Atualizado em 30/03/2020 09h01

Justiça Gaúcha libera cerca de 1,8 mil presos dos grupos de risco para evitar coronavírus

Segundo o Tribunal de Justiça, maioria dos presos já cumpria pena nos regimes aberto e semiaberto
Por: Gil Martins/Acústica FM - Foto: Valesca Luz/Acústica FM
Justiça Gaúcha libera cerca de 1,8 mil presos dos grupos de risco para evitar coronavírus

A Justiça Estadual liberou 1,8 mil presos gaúchos. Segundo o Tribunal de Justiça, a liberação tem por critério grupos de risco para a contaminação por Coronavírus.

Segundo a Corregedoria-Geral da Justiça, a partir de levantamento de dados e de informações prestadas por juízes criminais e de execuções criminais, cumpriu à Recomendação nº 62 do CNJ, que "Recomenda aos Tribunais e magistrados a adoção de medidas preventivas à propagação da infecção pelo novo coronavírus - Covid-19 no âmbito dos sistemas de justiça penal e socioeducativo".

No período de 18/03/2020 a 27/03/2020, foram proferidas 1.878 decisões concessivas de liberdade provisória, revogação de prisão preventiva, prisão domiciliar e medida cautelar diversa da prisão, o que corresponde a 4,47% do total de 42 mil pessoas aproximadamente, que estavam encarceradas antes de 18/03/2020. As decisões foram precedidas de manifestação do Ministério Público e visaram à preservação da saúde de presos enquadrados em grupo de risco, como idosos e portadores de comorbidades graves, inclusive para evitar o contágio generalizado do restante da população prisional, que permanece encarcerada por ordem judicial e dos servidores públicos que atuam nos estabelecimentos penitenciários. Ainda segundo o Tribunal de Justiça, a maioria dos presos postos em prisão domiciliar, cumpria pena em regimes aberto e semiaberto, com direito a trabalho externo e saídas temporárias, ou seja, já conviviam em sociedade.

“A Corregedoria-Geral da Justiça reafirma, por fim, seu compromisso de prestar esclarecimentos à Sociedade Gaúcha diante da propagação de notícias baseadas em dados que não refletem integralmente a realidade”, ressaltou o documento publicado no último sábado (28).

Deixar um comentário