02/09/2019 08h44 - Atualizado em 02/09/2019 08h44

Brasil bate recorde histórico com 308 medalhas nos Jogos Parapan-americanos

Essa é a quarta vez seguida que a delegação verde e amarela lidera o quadro de medalhas
Por: Agência Brasil Foto: Rodolfo Vilela/ rededoesporte.gov.br
Brasil bate recorde histórico com 308 medalhas nos Jogos Parapan-americanos

Disputado oficialmente desde 1999, os Jogos Parapan-americanos têm agora o Brasil como o dono da melhor campanha de todos os tempos: 308 medalhas, 124 ouros, 99 pratas e 85 bronzes. Essa é a quarta vez seguida que a delegação verde e amarela lidera o quadro de medalhas. 

A marca anterior era do México, que em casa na primeira edição, havia conquistado 307 pódios (121 ouros, 105 pratas e 81 bronzes). “A nossa meta interna no Comitê sempre foi superar os números de Toronto. Não só em medalhas, mas queríamos estar em mais finais, trazer a maior delegação, ter mais mulheres, contar com o maior número possível de atletas de classes baixas. Sempre apostando muito nos jovens. E acho que tudo isso foi alcançado”, disse Alberto Martins, diretor técnico e chefe da missão brasileira em Lima. 

A delegação brasileira ultrapassou a marca de medalhas de ouro quando Evelyn Oliveira, Mateus Carvalho e Antônio Leme, na classe BC3 da bocha, superaram o time canadense na final por 4 a 3. 

Lauro Chaman, do ciclismo, bateu o recorde total de pódios. Na prova de resistência C4-5, ele foi o mais rápido completando os 80 km em 2h17m43.

Quase metade das medalhas brasileiras veio das piscinas. A equipe da natação ficou com 127 conquistas, sendo 53 ouros. Há quatro anos, em Toronto, o Brasil conseguiu 104 medalhas, sendo 38 ouros. No Halterofilismo, o Brasil também liderou com folga o quadro de medalhas. Foram 16 medalhas, sendo seis ouros. Em Toronto, o Brasil ganhou oito medalhas na modalidade. 

“ A natação superou muito as nossas expectativas. Já esperávamos bastante. Mas ficou acima do que queríamos. O Halterofilismo tem uma regra muito confusa. É difícil haver uma unanimidade entre os árbitros. Há sempre uma interpretação. Por isso, acho que os nossos atletas foram muito bem.

Projeção para Tóquio 2020

Segundo o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), a delegação brasileira em Tóquio, nos Jogos Palalímpicos, terá entre 350 e 400 pessoas, sendo aproximadamente 250 atletas. “Ainda é bastante cedo para termos uma meta de resultados. Precisamos esperar os Mundiais de natação, agora em setembro, de Atletismo, no final do ano, e os próximos até Tóquio para podermos delimitar melhor os nossos adversários. Mas, é claro que a China é fortíssima. Rússia voltando é uma forte candidata à um posto no Top 5. Canadá e Estados devem ir com delegações bem diferentes dessas que estiveram aqui em Lima. Serão fortes rivais”, projeta Alberto Martins. 

Nos Jogos do Rio de Janeiro em 2016, o Brasil finalizou a sua participação em oitavo, com 72 medalhas (14 ouros). 

Entre vários outros, um ponto é observado com muita atenção pela equipe multidisciplinar brasileira: as medalhas de prata. “ Saímos de Lima com 99 pratas. Foram ocasiões nas quais ficamos muito perto do ouro. Queremos entender quais os detalhes que faltaram. E temos gente trabalhando para descobri-los”, completa o dirigente. 

Mizael Conrado e a homenagem a André Brasil

“ Foi uma campanha memorável do Brasil, em um dos Parapan-americanos mais difíceis de todos os tempos,” disse o presidente do CPB, Mizael Conrado. Em meio às comemorações, o dirigente fez questão de lembrar de um personagem do paradesporto nacional, o nadador André Brasil ( dono de 14 medalhas em Jogos Paralímpicos e quatro recordes mundiais ), que foi considerado inelegível pelo Comitê Paralímpico Internacional em abril desse ano. “ Por conta de um processo truculento, ele não pôde estar aqui. Mas estamos com ele. O talento dele, com certeza, contribuiu para que o paradesporto chegasse nesse nível. Um pedacinho de cada uma dessas medalhas também é dele.”

Deixar um comentário