No bolso

Do material escolar ao feijão com arroz: o que vai pesar na economia dos brasileiros em 2022?

Economista detalha como organizar suas despesas com a alta dos impostos
Por: Camila Mattos
Publicado em: 24/01/2022 às 17h25
Atualizado em: 24/01/2022 às 17h26
Do material escolar ao feijão com arroz: o que vai pesar na economia dos brasileiros em 2022? Foto: Divulgação

Economizar é a principal tarefa da rotina das famílias hoje com a alta das taxas em muitas despesas do dia-a-dia dos brasileiros. Na manhã desta segunda-feira (24), o economista Gustavo Ignácio concedeu uma entrevista para a rádio Acústica, onde conversou sobre o aumento do valor dos materiais escolares, itens da cesta básica e impostos sobre combustíveis, energia e moradia.

De acordo com o economista dependemos de um mercado internacional que está bastante tumultuado. Ele cita atritos entre Estados Unidos e Rússia, Estados Unidos e China e problemas com o Oriente Médio como fatores determinantes na rotina monetária do país.

Conforme Gustavo Ignácio, um exemplo mais sensível no bolso do brasileiro sobre a influência do mundo externo na economia nacional é o mercado de petróleo: “Um dos principais problemas que o cidadão enfrenta é o aumento dos combustíveis. Talvez esse seja a maior indefinição para o ano de 2022”, afirma.

O especialista destaca que no estado gaúcho fatores como a severa estiagem que a região enfrenta, pesa na rotina das famílias. Pois o baixo nível hídrico afeta o plantio, resultando em um aumento de preços e cortes na cesta básica das famílias.

Gustavo Ignácio destaca que hoje a economia familiar começa na área de educação, com as famílias revendo e pesquisando a necessidade e valores de materiais escolares. O especialista aborda a importância de realizar uma pesquisa sobre os produtos antes de adquirir e enfatiza a opção de reutilizar os materiais em bom estado, pois são itens de longa durabilidade.

Confira a entrevista.