Estragos na região

Correntezas danificam pontes e impedem trânsito no interior de Camaquã

Conforme o Secretário dos Transportes Elemar Bartz Venzke, problema na Ponte do Mazinho, é recorrente na localidade
Por: Valesca Luz/Acústica FM
Publicado em: 14/09/2021 às 14h46
Atualizado em: 14/09/2021 às 16h21
Correntezas danificam pontes e impedem trânsito no interior de Camaquã Foto: Valério Weege/Acústica FM
Correntezas danificam pontes e impedem trânsito no interior de Camaquã Foto: Valério Weege/Acústica FM
Correntezas danificam pontes e impedem trânsito no interior de Camaquã Foto: Valério Weege/Acústica FM
Correntezas danificam pontes e impedem trânsito no interior de Camaquã Foto: Valério Weege/Acústica FM
Correntezas danificam pontes e impedem trânsito no interior de Camaquã Foto: Valério Weege/Acústica FM
Correntezas danificam pontes e impedem trânsito no interior de Camaquã Foto: Valério Weege/Acústica FM

Duas pontes atingidas pelas correntezas, após as fortes chuvas nesta semana, danificaram as estruturas de madeiras no interior de Camaquã. A reportagem da Acústica FM, visitou na manhã desta terça-feira (14), as localidades da Figueira Marcada e Passo do Moinho.

De acordo com o Secretário dos Transportes, Elemar Bartz Venzke (Mazinho),  a comunidade do interior sofre recorrentemente com problemas na infraestrutura em épocas de intensa chuva: “os moradores sabem que sempre dá problema”, declara. A ponte do Mazinho localizada próximo da divisa entre as cidades de Camaquã e Chuvisca, na Figueira Marcada, foi atingida com a força da água e bloqueou o fluxo de veículos: “para acessar o outro lado da ponte, somente pela estrada que chega na Ponte das Cadelas na Santa Auta”, afirma Venzke.



Em entrevista a reportagem da emissora, a manutenção no local dependeria da viabilidade climática, e poderia iniciar após às 12h de hoje (14): “pedimos paciência, que em poucos dias colocamos em ordem”, disse. No entanto, justificou a falta de equipe para atender a intensa demanda ao mesmo tempo: “Não conseguimos atacar no mesmo momento, todos os lugares. Precisamos atacar as principais para depois atacar outras”, afirma.

Já a ponte localizada na estrada da Nico Bielaski no Passo do Moinho também sofreu com as mudanças climáticas, interrompendo a trafegabilidade de automóveis, caminhões de agricultores e produtores e outros veículos. Além dos estragos na zona rural, moradores da zona urbana também sofreram com alagamentos nesta semana. Na Rua Alegrete, residentes precisaram abrir uma boca de lobo, com equipamentos próprios, para tentar escoar a água do local. Relembre aqui.