Política

Comissão emite parecer desfavorável para projeto que retira tolerância do Estacionamento Rotativo de Camaquã

Proposta visa retirar os dez minutos de tolerância que os motoristas têm para adquirir o tíquete ou retirar o veículo da vaga
Por: Kevin Oswaldt/Assessoria Vítor Azambuja
Publicado em: 26/11/2021 às 09h32
Atualizado em: 26/11/2021 às 11h13
Comissão emite parecer desfavorável para projeto que retira tolerância do Estacionamento Rotativo de Camaquã Foto: Rodrigo Vicente/Arquivo/Acústica FM

A Comissão de Orçamento, Finanças e Controle Externo (COF) da Câmara Municipal de Camaquã emitiu parecer desfavorável à Mensagem Retificativa nº 1/2021 do Projeto de Lei nº 33/2021, que altera a lei que trata sobre o Estacionamento Rotativo de Camaquã. A proposta visa retirar os dez minutos de tolerância que os motoristas têm para adquirir o tíquete ou retirar o veículo da vaga. Se o projeto for aprovado, o usuário não terá mais a opção de retirar o veículo da vaga, sendo obrigado a adquirir o tíquete dentro dos dez minutos, e sendo multado caso não adquira. 

De acordo com o relator e vice-presidente da COF, Vítor Azambuja, diversos usuários do rotativo afirmam que nunca tiveram os dez minutos de tolerância garantidos, sendo cobrados assim que estacionam seus veículos nas vagas, mesmo que a lei municipal seja clara com relação a este direito. “A ideia deste projeto do Executivo é acabar com o período de tolerância. Se o usuário ficar 3, 6 ou 9 minutos com o carro estacionado e decidir sair da vaga, vai ter que pagar de qualquer forma”, explicou.

O parecer desfavorável emitido pelo relator foi acompanhado pelo presidente da comissão, Professor Claiton Silva (PDT). O secretário da COF, Vaterson Bônus (Republicanos) foi contrário ao parecer. “Recebo da comunidade, todos os dias, reclamações de que não estão sendo cumpridos os 10 minutos de tolerância. Ocorre que a lei municipal garante a tolerância, mas a licitação e o contrato assinado pela Prefeitura com a empresa não respeitam esse direito”, declarou Vítor Azambuja.

Durante a tramitação do projeto COF, foi realizada convocação de secretários para prestar esclarecimentos e audiência pública para ouvir a população, além de outras diligências. O parecer desfavorável será apreciado, podendo ser aprovado ou não pelo plenário. Se o parecer for aprovado, o projeto será arquivado. Caso o parecer seja rejeitado em plenário, o projeto irá para votação dos vereadores.